Disposição Para Ouvir o Outro

joshua-ness--bEZ_OfWu3Y-unsplash

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Autor:

Alessandra Ritondaro

Para ouvir o outro é preciso, primeiramente, aprender a escutar a si mesmo. Uma pessoa ansiosa, por exemplo, não consegue escutar o outro porque não tem espaço interno nem para escutar a si própria. A pessoa que não escuta parece estar sempre interessada somente nela mesma. Por outro lado, quem consegue escutar o outro, demonstra um interesse real, pois escutar significa dizer: “você é importante para mim”. Por isso mesmo, ouvir é uma habilidade essencial para criar e manter relacionamentos. Um bom ouvinte transmite a todos confiança e tranquilidade.

Para manter uma comunicação positiva é importante ter a capacidade de se colocar no lugar do outro e ouvir com a intenção de entender, não de argumentar. Quem está apenas aguardando o momento de discordar, fica o tempo todo ocupado com o que vai falar. Como resultado, não sobra espaço para escutar o próximo. A pessoa está mais preocupada em avaliar do que em escutar. Esse tipo de atitude estabelece uma barreira na comunicação. Escutar com empatia não é concordar com tudo o que o outro fala. É procurar compreender realmente o que o outro quer dizer e o que está sentindo. Quando ouvimos atentamente, prestamos atenção nas palavras, na linguagem corporal e nos sentimentos. Assim, torna-se mais fácil perceber os sentimentos que estão por trás das palavras.

Quando ouvimos superficialmente, captamos apenas mensagens superficiais, pois não estamos realmente interagindo com o outro. Isso dificulta o relacionamento, na medida em que promove um sentimento de inferioridade para quem está falando. A pessoa percebe claramente que não está sendo ouvida e se sente desrespeitada.

Por que é tão difícil ter disposição para ouvir o outro? Atualmente, estamos muito habituados a interromper os outros e a tirar conclusões precipitadas. Além disso, nossas crenças nos levam a escutar apenas o que acreditamos ser verdadeiro. Nossa competitividade também nos faz querer dominar o diálogo. E quando alguém fala o que não queremos ouvir, fugimos da realidade e nos desligamos da conversa. Por fim, há uma questão física: nossa capacidade de assimilação de palavras é maior do que a velocidade da fala e, dessa forma, acabamos ficando com um espaço vazio para preencher com outros pensamentos. Para ter mais disposição para ouvir o outro, precisamos mudar alguns hábitos. O primeiro deles é escutar mais do que falar. Devemos evitar as interrupções: as pessoas, muitas vezes, precisam de mais tempo para concluir um raciocínio. Colocar-se no lugar do outro e perceber seus sentimentos nos ajudará a compreender melhor a mensagem. Precisamos nos concentrar nos movimentos da pessoa, pois o corpo fala tanto ou mais do que as palavras. E, acima de tudo, devemos respeitar o outro, permitindo sua máxima manifestação, sem prejulgamentos.

Os amparadores se comunicam conosco por meio de intuições. Essa energia é muito sutil e precisamos ter tranquilidade e espaço interno para captá-la. Portanto, quanto maior for a nossa disposição para ouvir o outro, maior será nossa capacidade de comunicação com os amparadores espirituais.

Outros conteúdos