Assertividade

Assertividade 1

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Autor:

Fátima Alves

Ser assertivo significa agir de forma afirmativa em todas as situações com o objetivo de deixar as coisas resolvidas. Mas apenas uma pequena parcela da população da Terra consegue agir desta maneira. Por quê?


Porque o mecanismo natural (instintivo) do ser humano, em uma situação de confronto, é lutar ou fugir. Ou seja, ou a pessoa parte para a briga ou ela foge da situação para não enfrentá-la. Na natureza, na cadeia alimentar, o animal mais forte luta e o mais fraco foge, tentando se defender. São animais irracionais, agindo por instinto de sobrevivência. No ser humano esse mecanismo também aparece só que de forma socializada.

Uma entrevista de emprego pode ser um exemplo de situação de confronto da qual a pessoa passiva vai sentir vontade de fugir. O mais agressivo também pode sentir medo dessa situação, mas a reação dele é entrar em estado de ansiedade, tornando-se agressivo. Em alguns casos, esse comportamento é visto como positivo, mas na verdade, a pessoa que o pratica tem a mesma dificuldade que a pessoa passiva.

Os comportamentos passivo e agressivo ocorrem porque as pessoas são emocionalmente imaturas. Não conseguem distinguir uma ameaça real da virtual. Um cachorro bravo correndo em sua direção é uma ameaça real. Você tem que fugir se não quiser levar uma mordida. Um chefe que te chama para conversar não é uma ameaça real. Mas pode tornar-se uma ameaça por causa dos conteúdos internos imaturos.

Esses comportamentos são praticados também no ambiente familiar, não apenas no profissional. Numa família, geralmente vemos um dos cônjuges passivos e o outro agressivo. Dificilmente convivem por muito tempo duas pessoas agressivas. As explosões e as brigas são tão constantes que fica impossível a convivência. Para se conseguir uma “aparente” harmonia, é necessário que um dos dois seja passivo.

Mas essa harmonia é apenas aparente. Não dá para ter harmonia quando o comportamento das pessoas não é saudável e equilibrado. A pessoa passiva sofre muito. Ela vai guardando tudo porque não consegue se expressar e geralmente sente muita raiva. E não são raras as vezes que, depois de um longo período, essa pessoa tenha
uma explosão e coloque a casa abaixo.

O assertivo não passa por esse processo. Ele analisa a situação real. O que está acontecendo, quem está envolvido, quais as consequências e quais as soluções encontradas. O assertivo não se preocupa com quem cometeu o erro e sim com a melhor solução para o problema. O assertivo não leva nada para o pessoal e tenta resolver tudo de forma afirmativa e objetiva. Os comportamentos passivo e agressivo aparecem também nos filhos. Pais controladores e agressivos podem levar a criança a ter um comportamento passivo ou também agressivo para “se defender”. É um mecanismo inconsciente e que se perpetua na idade adulta, até o resto da vida, se a pessoa não procurar ajuda de uma terapia, por exemplo. Não dá para se livrar de um comportamento disfuncional sozinho. É preciso a ajuda de um profissional competente que possa ajudar a pessoa a perceber como esses mecanismos ocorrem e atrapalham sua vida em todos os âmbitos. Ninguém é agressivo ou passivo por gosto,
por uma escolha racional. Foi uma defesa desenvolvida em situações de extrema necessidade, geralmente na infância.

Mas é possível corrigir. É possível aprender a ter um comportamento assertivo em casa com a família, com os amigos, no ambiente social e profissional. Usar a assertividade evita conflitos e confrontos desnecessários, além de ser uma ferramenta essencial para o crescimento pessoal e consciencial.

Outros conteúdos