Homeostase Evolutiva

dusan-s-mX2mdxhc0UM-unsplash

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Autor:

Fátima Alves

Homeostase é um termo usado em medicina que significa, resumidamente, um mecanismo automático que regula nosso organismo para funcionar sempre em perfeito equilíbrio. Homeostase evolutiva = mudança para adquirir o equilíbrio e reorganização interna.

Dificuldades para efetuar mudanças

O ser humano tem muita dificuldade de efetuar mudanças, das mais simples. Isso ocorre pelo medo do novo e às vezes por comodismo. A Neofobia (medo do novo) é um fenômeno que acontece com as pessoas de todas as culturas e classes sociais. Quando a pessoa aprende a fazer alguma coisa, aquilo fica registrado em seu cérebro e vai para o subconsciente. Da próxima vez que vai fazer, as sinapses já estão feitas e fica mais fácil porque já se sabe o caminho. Isso vale para as questões físicas e emocionais.

Quando se passa por uma experiência traumática, esse aprendizado vai para o subconsciente. E da próxima vez que se estiver numa situação que lembre aquela experiência traumática, o medo aparece. Pode ser uma ameaça real, mas pode ser uma ameaça ‘virtual’, que ocorre apenas na mente, por causa dos medos. É necessário entender esse processo e verificar quais são as dificuldades e porque elas acontecem. Esse é o primeiro passo para a mudança de comportamento, que só é eficiente com o entendimento.

Mudar um comportamento por decreto não resolve. É preciso entender todo o processo, racionalizar e agir em conformidade com o que é lógico e coerente. Por decreto e na marra não se muda nada. A mudança é apenas momentânea e aparente. O que define a mudança real e definitiva é a continuidade.

Qualquer dieta radical faz emagrecer. Mas emagrecer é uma mudança momentânea e aparente. É necessário mudar os hábitos alimentares e realizar atividade física para manter um peso ideal. E manter esse peso ideal depende da continuidade dessa ação coerente.

Crenças e comportamentos desta e de outras vidas

As vidas passadas também interferem no comportamento atual. A pessoa tende a repetir o que já foi aprendido. Todos os mecanismos de defesa aprendidos em várias vidas anteriores estão dentro da pessoa e hoje ela toma atitudes baseadas nesse contexto interno. E isso só muda quando há entendimento.

Apego é outro item que ancora a evolução. Os apegos aprisionam a consciência e faz sofrer. Quem tem muito apego não consegue se adaptar a nenhuma mudança. A pessoa fica absolutamente inflexível e severa com ela mesma e com quem está à sua volta.

Não consegue se adaptar às mudanças no trabalho, não aceita que o filho saia de casa, não muda a marca do carro, não consegue mudar de casa, de bairro, muito menos de cidade. São pessoas que não conseguem se adaptar nem às mudanças climáticas que ocorrem no decorrer do dia.

Aprendendo a lidar com a realidade

Quanto mais livre do ego e de apegos, mais a pessoa consegue ver a realidade. Uma pessoa muito emocional enxerga uma realidade particular, interpretada de acordo com seus conteúdos emocionais. Importante enxergar a realidade e parar de fazer versões dos fatos. Fazemos sempre versões dos fatos, ou por medo de ver a verdade ou por conveniência.

Quanto mais cedo lidar com a realidade externa, mas rápido resolve-se o problema. Tapar o sol com a peneira só perpetua o sofrimento que leva as pessoas a muita angústia e infelicidade, trazendo, muitas vezes, doenças irremediáveis no corpo físico e emocional.

Para lidar com a realidade é preciso uma certa dose de coragem e discernimento. Mas quem está empenhado em sair das repetições e crescer como consciência vai adquirindo cada vez mais competência para enxergar a realidade e fazer modificações reais.

As energias vão ficando cada vez mais sutilizadas, a percepção vai aumentando e isso resulta numa leitura rápida e clara do que está acontecendo ao seu redor, proporcionando uma condição privilegiada de entendimento e tomada de decisão.

Outros conteúdos